domingo, 4 de abril de 2010

- Bom dia !

 o senhor gostaria de contribuir com o lar de crianças carentes...
"Essa foi a 15 vez que levo uma portada na cara" pensou ele. E seu dia mal havia começado, ainda teria mais 3 horas exaustivas pela frente, até que a próxima voluntária viesse, atrasada novamente,e ele pudesse ir para seu segundo emprego que era nada mais nada menos do que uma lanchonete vagabunda. Muitos se perguntam se trabalho voluntário é um emprego. Para Peter era, já que gastava boa parte de suas horas do dia por lá, e recebia o seu pagamento sempre que voltava ao Lar da Tia Terezinha. Não era muito, mas pagava seus fast foods na volta para casa. Voltando ao segundo emprego, era um lugar velho, sujo, engordurado, cheio de bêbados fedidos e tinha o pior gerente da história. Ah, o gerente; seu chefe. Aquele velho gordinho não se cansava nunca de falar, e o pior de tudo era que mais da metade do que dizia era sobre como todas as milhões de esposas que já teve o traíram e fugiram com o garçom, o florista, o cara do posto de gasolina. Todos os dias de Peter eram assim.
Finais de semana? Só futebol e canais pornográficos, que roubava o sinal da casa do vizinho da frente. Nunca se casara, nem ao menos namorara alguém realmente. Não possuía talentos, a não ser fazer as crianças do Lar se irritarem e mandarem alguém tirá-lo de perto. Um completo imprestável sem amigos, que não tinha objetivo algum na vida e ria de sua situação cada vez que parava para pensar nela. Por quê? simplesmente porque renunciou a herança de seus pais, fugira de seu país de origem, envolvera-se com álcool cedo demais, engravidara uma completa desconhecida que agora havia de sustentar. Tudo isso porque queria curtir a vida. Pobre Peter, garoto tolo que agora acabara de se tornar um rapaz. Vive hoje a realidade de muitas pessoas que não sabem o que é realmente aproveitar a vida, deixando que tudo aconteça da forma mais fácil e divertida, sem querer saber de seus compromissos e responsabilidades. Sem querer crescer. E quando é chegada a hora, sofrem todas as consequências, e a culpa é somente deles.

Nenhum comentário: