domingo, 30 de maio de 2010

Diferente.

Dessa vez não vai ter um texto super hiper emocionante aqui -q
Bom, decidi que hoje vou postar o que se passa, sem muito rodeios (ou não), pela minha cabeça louca. Extremamente louca, como quiser.
Ultimamente percebi que minhas semanas estão bem cheias, bem do jeito que eu queria pra poder ter novas idéias, perspectivas para postar ou só pra conversar. Mas não é o que tem acontecido; tem tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, que meu cérebro não processa tudo e fico na mesma, como antigamente. Penso que talvez precise de um tempo para refrescar a cabeça, desligar (mais) do que se passa ao meu redor e só relaxar. Será que é o que devo fazer ? só curtir, deixar acontecer ? ou preciso focar mais nos estudos mesmo, pegar firme e parar de tirar notas abaixo de 8 ? ou realmente, só deixar acontecer ? 


Ignorem isso totalmente ou divirtam-se com minhas idiotices de sempre rs

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Quase morriam de ansiedade,

e quanto mais perto, mais eufóricas estavam; trombavam, empurravam, e riam descontroladamente. E quando passavam o cartão que não era de crédito naquela máquina, começavam a pular, girar, cair feito loucas, fazendo as pessoas pararem para olhar, mesmo não sendo tão boas assim.
Saiam suadas, cansadas, uma arrastando a louca que ficou três rodadas seguidas e não conseguia subir a rua, ao mesmo tempo que a senhora arrastada brincava que sempre estava de intrusa nos relacionamentos dos outros. Apressadas, corriam para o ponto de ônibus que não demorou muito a passar e a chegar ao destino de uma delas, separando-as e fazendo toda aquela realidade voltar, mas não estragando a alegria imbecil que estavam naquele dia.


Pump  *-*

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Agora

ela estava convicta. Entre um ou outro decidiu-se por nenhum, mesmo que isso lhe custe mais algum tempo de carência absoluta. Talvez possa, por mais um tempo, descontar sobre seus amigos certa parcela de seus sentimentos e desejos.


-----------------------


Tenho notado que estou cada vez mais surda, culpa dos fones de ouvido. Porém, quando não estou usando-os, tenho fortes dores de cabeça e estresse. Imagino que seja consequência da minha indignação com coisas do mundo atual, da violência que se vê em cada esquina. Esse tipo de coisas ecoam pela minha mente por muito tempo, fazendo-me questionar qual é o motivo de existirmos se tudo que sabemos fazer é destruir e degradar a tudo e todos, mesmo que alguns poucos tentem melhorar. Ou eu só esteja escrevendo e pensando (não nessa ordem) besteira demais. Juro que estava sóbria ao escrever rs.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Talvez aquela moça sorridente

que carrega uma criança nos braços esteja querendo tirar umas férias da própria vida. O cara da esquina seguinte, carregando uma pasta e falando ao celular, pode ser alguém insignificante e o desajeitado cruzando seu caminho pode ser seu futuro chefe. A vendedora de perfumes talvez tenha inteligência superior àquele ex-universitário, agora desfilando com seu diploma. Os góticos podem ser mais simpáticos e divertidos que os mais populares (por qualquer coisa que seja) da escola. Onde quero chegar é: não se deve julgar alguém pela aparência ou pelo que tal pessoa disse a você que é ou deixa de ser. Conheça, experimente, sinta e aí sim, tire suas próprias conclusões e idéias.


Essa sexta foi tensa. Correria, comilança, dores. Fora a animação que eu estava para fazer a Olimpíada de astronomia e chego lá tenho que estudar um conteúdo que acho que só vou absorver tudo até o final do ano, mesmo não parecendo difícil. Mas fazer o que, me inscrevi, agora tenho que fazer.

domingo, 2 de maio de 2010

Contava os cruéis segundos

 para que o momento chegasse. Suas mãos estavam inquietas, tentava segurá-las e secá-las ao mesmo tempo, pois suavam feito loucas. o corpo todo formigava, sentia que ia cair a qualquer momento. Só esperava que não fosse no chão, e sim nos braços de um tal alguém. As borboletas estavam incomodando-a insanamente, a ponto de deixa-lá confusa, sem saber o que responder a ele. A boca seca, passava a língua pelos lábios a cada 3 segundos e de nada adiantava. Ansiosa, olhava para ele de relance, para que não lhe passasse pela cabeça agarrá-lo, mais uma vez. Passando por um pequeno corredor, indo em direção ao escuro, seu coração quase explodia. E, de repente, todas as sensações estranhas desapareceram para algum canto, talvez esquecidas por um tempo, restando somente o doce sabor de um beijo.


Sim, meu sábado foi ótimo, obrigada rs