sábado, 28 de agosto de 2010

Sentia a liberdade

entre os deveres, algo como o prazer em fazer suas obrigações. Mas só por hoje e sabia bem disso. Digita sem pensar, os ruídos das caixas de som misturados à música não permitiam nem que ouvisse a si própria. Pelo menos passaria um tempo, relativamente pequeno, sem prestar atenção em coisas que não devia se preocupar. Ainda.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Até que ponto

serei impulsiva ? até sentir-me suficientemente completa ou até me tocar que não posso fazer as coisas que quero porque não tenho o completo poder sobre minha liberdade ? Porque nunca é tempo bom para mim ? Porque nunca gira tudo a meu favor ? Porque as coisas não são mais fáceis ? Qual a razão de sofrermos por motivos fúteis e supérfluos ? Como eu não sei qual o "porque" correto se estudei tanto sobre isso ? Queria repousar sem ser criticada ou sumir sem ser lembrada.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Desordem de ideias vagas e inúteis.

Todos mudavam. Perguntava-se quando veria suas próprias mudanças, quando sentiria coisas como os outros diziam sentir. Podem todos dizer o quanto estava diferente, mas se mantivera a mesma, e não era somente na essência.
Não sabe se o que quer é ser igual, ou ser o mais diferente possível; aliás nunca definiu isso nem coisa alguma. Raros eram os momentos em que escolhia algo por si, algo que somente ela receberia os benefícios. E não era esta que a pouco tempo atrás falou algo sobre o sentido do egoísmo? 
E, apesar de certos motivos que não são motivo algum, pensava se mudança era realmente o que queria agora que tudo estava acontecendo ao mesmo tempo. Realmente, confusa.


--------------------------------------------------------------------------------------------


Me pergunto se alguém entende o que escrevo, já que ninguém opina sobre. É, pareço estar pedindo comentários. Acho que estou mesmo rs
Outra coisa, não estou abandonando o blog até porque não teria mais onde escrever. Só tive um mês cheio, eram  poucos os acontecimentos que consegui transformar em algo possivelmente relatável. Chama-se vulgarmente de relapso de preguiça ou falta de criatividade, escolha.